quarta-feira, 25 de março de 2009

A raposa e o corvo

Um corvo, empoleirado sobre uma árvore, segurava em seu bico um queijo. Uma raposa, atraídas pelo cheiro, dirigiu-lhe mais ou menos as seguintes palavras:
- Olá, doutor corvo! Como o senhor é lindo, como o senhor me parece belo! Sem mentira, se sua voz se assemelha a sua plumagem, então o senhor é a fênix dos habitantes destes bosques.
Diante dessas palavras, o corvo, não cabendo em si de contente, para mostrar sua bela voz, abriu um grande bico e deixou cair sua presa. A raposa apoderou-se dela e disse:
- Meu caro senhor, aprenda que todo bajulador vive às custas de quem lhe dá ouvidos. Esta lição vale, sem dúvida, um queijo.
O corvo, envergonhado e confuso, jurou, um pouco tarde é verdade, que ele não cairia mais nessa.

La Fontaine

MORAL: "O bajulador só consegue sucesso, porque sabe enxergar as qualidades das pessoas."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário